A (R)evolução (Bio)tecnológica e a (Nova) Condição do Ser Global

Vias e reflexões

Autores/as

  • Ricardo Alexandre Cardoso Rodrigues Universidade Lusíada do Porto (Portugal)

Palabras clave:

biotecnologia, ética, bioética, biodireito

Resumen

O presente estudo apresenta como objeto as potencialidades de impacto evidenciadas pela (r)evolução biotecnológica, suarepercussão no indivíduo, nasociedade e no meio ambiente e consequentesdesafiosimpostos à ética, à bioética e aobiodireito.

Citas

A. Flexner. Medical education in the United States and Canada: a report to the Carnegie Foundation for the Advancement of Teaching. New York: Carnegie Foundation for the Advancement of Teaching; 1910.

A. Gomes. Risque Sanitaire et Protection de l’Individu Contre Soi-Même. Quelques Topiques pour un Débat. Rev. do M. P. nº 116; 2008.

Alexandre Libório Dias Pereira. Telemedicina e farmácia online: aspetos jurídicos da ehealth. Revista da Ordem dos Advogados. Ano 75. Vol. I/ II. Jan/jun. 2015.

António dos Santos Justo. Introdução ao Estudo do Direito. Coimbra: Coimbra Editora; 2012.

António Junqueira de Azevedo. Caracterização jurídica da dignidade da pessoa humana. Revista trimestral de direito civil. Ano 2. Vol. 9. Jan./ Mar.: 2002.

Armando Venâncio, Ângela C. Macedo, Francisco Malcata. Biotecnologiados Alimentos. In: Biotecnologia: Fundamentos e Aplicações. Lidel. Cap. XX; 2003.

Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa. Recomendação n.º 1468; 2000.

Barbara Freitag. A questão da moralidade: da razão prática de Kant à ética discursiva de Habermas, Revista de Sociologia da Iniversidade de S. Paulo. Tempo Social. Vol. 1. N.º 2; 1989.

Batoca Silva, Daniel Silva. Reflexão Ética Sobre Cuidados Paliativos em Neonatologia a Partir do Livro um Filho para a Eternidade. Millenium. 47. Junho/ dezembro; 2014.

Bjarne Melkevik. Les Concepts de Personne et de Dignité: La Question de Droit. In: La Personne Juridique dans la Philosophie du Droit Pénal. Paris: Editions Panthéon Assas; 2001.

C. Beckert. O Conceito Bioético de Pessoa: Entre o Indivíduo Biológicoe o Sujeito Ético-jurídico. 15-32. In J. Ribeiro da Silva, A. Barbosa, F. Martins Vale. Centro de Bioética. Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. Contributos para a Bioética em Portugal. Lisboa: Edições Cosmos; 2002. p. 28-31.

C. Simões Gonçalves Loureiro. Adeus a Delfos? Saber, não saber e medicina preditiva in Lex Medicinae: Revista Portuguesa de Direito da Saúde. Coimbra: Coimbra Editora. Grupo Wolters Kluwer Coimbra. A. 8, n.º 15; 2011.

Ch. Lavialle. De la Bioéthique au Biodroit. Paris: Ed. Droit et Société; 1994.

Comissão Nacional Justiça e Paz. Da Globalização da Indiferença a uma Ética do Cuidado. Reflexão da CNJP para a Quaresma de 2015. CNJP; 2015.

D. Gracia. Fundamentos de Bioética. Eudema; 1989.

D. Gracia. Procedimientos de decisión en Ética clínica. Eudema; 1991.

Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa e da Fundação Calouste Gulbenkian. Vol. I A-F. Verbo; 2001.

Dicionário da Língua Portuguesa: Novo. Porto Editora; 2010.

Dicionário de Português e Espanhol. Porto Editora; 2000. p. 338.

E. Luiz Bonamigo. El Principio de Precaución: Un Nuevo Principio Bioético y Biojurídico. Tese de Doutoramento. Departamento de Ciências da Educação, Linguagem, Cultura e Arte – Faculdade de Ciências do Turismo. Universidade Rei Juan Carlos; 2010.

E. Zoboli. A redescoberta da ética do cuidado: o foco e a ênfase nas relações. Rev Esc Enferm. S. Paulo: USP; 2004.

E. Zoboli. Ética do cuidado: uma reflexão sobre o cuidado da pessoa idosa na perspectiva do encontro interpessoal. Saúde Coletiva; 2007.

Encyclopedia International. Grolier Incorporated.Stratford Press. Vol.11; 1970. p. 520.

Fernando J. Regateiro. Manual de Genética Médica. Coimbra; 2013.

Frédérique Dreifuss-netter. La Protection Pénale de l’Être Humain avant la Naissance In: La Personne Juridique dans la Philosophie du Droit Pénal. Panthéon Assas; 2001. p. 95.

G. Durand. Introduction générale à la bioéthique. FIDES/Cerf; 1999.

G. Hottois, MH. Parizeau. Dicionário Da Bioética. Colecção Atlas e Dicionários. Instituto Piaget; 1993. p. 58-64.

H. Kieffer. Bioética. Alhambra. Universidad; 1983.

H. T. Engellhardt. The Foundations of Bioethics. Nova Iorque – Oxford: Oxford University Press; 1986.

I. Sarlet. As Dimensões da Dignidade da Pessoa Humana: Uma Compreensão Jurídico-Constitucional Aberta e Compatível com os Desafios da Biologia. In: Direitos Fundamentais e Biotecnologia, S. Paulo: Ed. Método; 2008.

Instituto de direito internacional. La compétence universelle civile en matière de réparation pour crimes internationaux/ Universal civil jurisdiction with regard to reparation for international crimes. (Andreas

Bucher (relator)). Relatório final; 2015.

Instituto de direito internacional. La protection des droits de l’homme et le principe de non-intervention dans les affaires intérieures de l’Etat. (Giuseppe Sperduti (Relator)). Anuário. v. 63-II; 1990.

J. Gafo. Fundamentatión de la Bioética y Manipulación Genética. Universidad Pontificia Comillas; 1988.

J. Martins e Silva. Educação Médica e Profissionalismo. Lisboa: Acta Médica Portuguesa; 2013.

J. Miller. Is legislation in Bioethics desirable? An Exploration of aspects of the intersection of Bioethics and Biolaw” in Bioethics and Biolaw. Vol.I. Judgement of life. Ed. Peter Kemp, Jacob Rendtorff, and Niels Mattsson Johanssen; 2000.

J. P. Machado. Ética em Cuidados de Saúde. Porto: Porto Editora; 1998.

J. Ribeiro da Silva. Perspectivas da Bioética. Bioética Contemporânea III. Lisboa: Edições Cosmos e João Ribeiro da Silva; 2003.

J.J. G. Canotilho, V. Moreira. Constituição da República Portuguesa Anotada: Volume I - Artigos 1º a 107º. Coimbra: Coimbra Editora; 2007.

J.J. G. Canotilho. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. Almedina; 2003.

Jean Marie Crouzatier. Droit International de la Santé. Paris: Éditions des archives contemporaines; 2009.

Jr HT. Engelhardt. Fundamentos Da Bioética. Loyola; 1998.

Lenoir, N., Mathieu, B. Les normes internationales de la bioéthique. Paris: PUF; 1998.

Lima, M. Mota. Biotecnologia: fundamentos e aplicações. Lidel Ed. Técnicas; 2003.

Maria Celeste Cordeiro Leite. Biodireito: ciência da vida, os novos desafios. S. Paulo. Ed. Revista dos Tribunais; 2001.

Maria Helena Diniz. O Respeito À Dignidade Humana Como Paradigma da Bioética e do Biodireito. 967-971. In: Jorge Miranda, Marco António Marques da Silva. Tratado Luso- Brasileiro da Dignidade Humana. S. Paulo: Quartier Latin do Brasil; 2008.

Maria L. P. Silva. Autonomia da pessoa e determinismo genético. In: Rui Nunes, Helena Melo, Cristina Nunes. Genoma e dignidade humana. Coimbra: Gráfica de Coimbra; 2002.

National Commission for the Protection of Human Subjects of Biomedical and Behavioral Research. The Belmont Report. Ethical Principles and Guidelines for the Protection of Human Subjects of Research. Washington DC: DHEW Publication OS 78-0012; DC 1978.

Nuno Manuel Pinto Oliveira. Dignidade da pessoa humana e a regulação jurídica da bioética. Lex Medicinae – Revista Portuguesa de Direito da Saúde. Ano 8. N.º 15; 2011.

Oliveira Ascensão. O Direito. Introdução e Teoria Geral. Almedina; 2005.

P. Laín Entralgo. El médico y el enfermo. Guadarrama; 1969.

P. Requena Meana. El Principialismo y la casuística como modelos de bioética clínica Presentación y valoración crítica. Tese de Doutorameno.

Pontificia Universidad de la Santa Cruz Facultad de Teología; 2005

Paulo Ferreira da Cunha. O ponto de Arquimedes. Coimbra. Almedina; 2001.

Pessini, C. de Paul Barchifontaine. Problemas atuais de Bioética. Centro Universitário S. Camilo. Edições Loyola; 2002.

Peter Sloterdijk. Regras para o parque humano. Angelus Novus. Tradução de Manuel Resende; 2008.

R. Nunes, D. Serrão. Ética em Cuidados de Saúde. Porto: Porto Editora; 1998.

Reinaldo Pereira Silva. Introdução ao Biodireito: investigações políticojurídicas sobre o estatuto da concepção humana. S. Paulo: LTr; 2002.

Robert l. Nussbaum; Roderick R. Mclnnes; Huntington F. Willard. Thompson & Thompson Genética Médica. Elsevier; 2008.

Santos Justo, A. Nótulas do Pensamento Jurídico: História do Direito; 2005.

T. H. Morgan, A. H. Sturtevant, H. J. Muller, C. B. Bridges. The Mechanism of Mendelian Heredity. Henry Holt and Company; 1915.

T. H. Morgan. A Critique of the Theory of Evolution. Louis Clark Vanuxem Foundation. Princeton. Princeton University Press; 1916.

T. H. Morgan. Evolution and Genetics. Princeton, NJ. Princeton University Press;1925.

T. H. Morgan. Heredity and Sex. Columbia University Press; 1913.

T. H. Morgan. The Physical basis of Heredity. Philadelphia and London. J. B. Lippincott Company; 1919.

T. H. Morgan. The Theory of the Gene. New Haven. Yale University Press; 1926.

T. L. Beauchamp. Principi della bioetica: autonomia, beneficialità, giustizia. In Ed. G. Russo. Bioetica fondamentale e generale, Torino: SEI; 1995.

T. R. Vieira. Bioética e Direito. Jurídica Brasileira; 1999.

V. Rensselaer Potter. Bioethics, the science of survival. 1970.

V. Rensselaer Potter. Bioethics: bridge to the future, Englewoods Cliffs. New Jersey: Prentice-Hall; 1971.

V. Rensselaer Potter. Global Bioethics, Building on the Leopold Legacy. Michigan: Michigan State University Press; 1988.

Vera Lúcia Raposo. O Direito à Vida na Jurisprudência de Estrasburgo. Jurisprudência Constitucional. n.º 14 Abril-Junho, 2007.

W. T. Reich History of the Notion of Care. In: REICH, Warren T. (ed.). Encyclopedia of Bioethics. New York: Simon & Schuster Macmillan; 1995.

Descargas

Publicado

2016-12-20